Diário de uma guerra estranha...

(literalmente)

Saturday, January 19, 2008



"Das lampadas eletricas saltam chispas, que se metem por baixo da cama para me atormentar. Não vê você os olhos que tenho são de minha irmã? Eu não tenho medo da guerra. Os liquidos das injeções que me aplicam estão infectados e dissolvem meus ossos e me entranham um odor desagradável. A estrela se transformou em uma menina com sapatinhos iguais aos meus. Olhe para os meus braços eveja como estão ocos: é porque as fichas estão comendo os meus ossos. O mar ri com dentes etéreos. Ouço dentro do poço as vozes dos cadáveres e debaixo de uma árvore do jardim ouço como se quixa minha irmã. Oh! O mundo".
- caso clínico de alucinação
Cabaleiro Goás

Tuesday, January 15, 2008


– Les épines, à quoi servent-elles ?

Le petit prince ne renonçait jamais à une question, une fois qu’il l’avait posée. J’étais irrité par mon boulon et je répondis n’importe quoi :

– Les épines, ça ne sert à rien, c’est de la pure méchanceté de la part des fleurs !


– Oh !

Mais après un silence il me lança, avec une sorte de rancune :

– Je ne te crois pas ! Les fleurs sont faibles. Elles sont naïves. Elles se rassurent comme elles peuvent. Elles se croient terribles avec leurs épines…



*eu gostaria de sonhar com o pequeno principe e não com ciborgues assassinos correndo atras de mim ¬¬

Friday, January 11, 2008




Eu crio passarinhos no meu ar condicionado.
Ultimamente acho que não estão muitos satisfeitos com as acomodações, família crescendo, muitas crianças no condomínio p/ acordar os filhotes de manhã...Acho que vão procurar um de 10000 btus.
história verídica...

Thursday, January 03, 2008

o que um scanner registra? um pensamento? um sentimento? ele vê dentro de mim, de nós? clara ou escuramente? Espero que claramente, por que eu mesmo não vejo mais... espero que os scanners façam melhor.

homem-duplo

(somos nós)

Tuesday, December 11, 2007

video

Tuesday, December 04, 2007


é um domingo seis da tarde
é um quadro negro arranhado
é dormir com pé sujo
é molhar uma mão e deixar outra enxuta
é abrir a geladeira e esquecer o que ia fazer
é descolamento de alma
é riscar livro novo
é aranha no canto da parede
é um buraco na calçada
é suspiro perdido
é sol de duas da tarde no meio da frei serafim
é cabelo no ralo da pia
é pensar não fazer
é tinta do cabelo saindo
é respirar e o ar não vir
é sorvete de morango
é vontade morrida
é um oi por engano


coisas que nao deveriam ser ou minha lista de coisas para desfazer



Friday, November 30, 2007

ui!

a vida é bela
a casa é amarela
e o amor até existe
mas não faz honra ao nome


e aqui termina minha aventura na releitura de poemas de autores desconhecidos
felizmente